Grupos de defesa dos direitos dos homossexuais nas Filipinas celebraram a decisão da multinacional americana Nike de encerrar o acordo de patrocínio com Manny Pacquiao depois que o popular boxeador afirmou que os gays são "piores que os animais".

Pacquiao, durante a campanha eleitoral para o Senado filipino, fez declarações pesadas em relação aos homossexuais: "É o bom senso. Já viram os animais se acasalar com animais do mesmo sexo? Os animais são melhores, já que diferenciam entre machos e fêmeas", declarou o boxeador ao canal TV5.

"Os homens que se acasalam com homens e as mulheres que se acasalam com mulheres são piores que os animais", completou o popular atleta, de formação católica, como 80% dos filipinos, mas que se converteu ao evangelismo no início de 2010.

Pacquiao pediu desculpas pelos comentários, mas a onda de críticas era incontrolável.

A multinacional Nike, que patrocinava o atleta, anunciou na quarta-feira o fim do vínculo com Pacquiao, de 37 anos.

"As declarações de Manny Pacquiao são abjetas", afirmou a empresa em um comunicado.

"Nike se opõe com firmeza a qualquer discriminação e tem um longo histórico de defesa dos direitos da comunidade LGBT", completa o texto.

Posteriormente, um porta-voz da empresa foi ainda mais contundente: "Não temos mais uma relação com Manny Pacquiao, isto é seguro".

A Nike, uma das principais patrocinadoras do pugilista filipino, tinha uma série de produtos com o nome 'Team Pacquiao' e o logo e as iniciais de Manny Pacquiao.

A decisão da empresa foi comemorada pelos grupos de defesa dos direitos dos homossexuais nas Filipinas, país que proíbe o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

"Os LGBT filipinos, os grupos associados e a decisão da Nike derrubaram um fanático fundamentalista que deseja ser senador", declarou Santon Remoto, diretor do partido Ang Ladlad, que defende os direitos da comunidade LGBT.
Ele usou uma referência bíblica para resumir a situação: "Davi derrotou Golias".

Para o analista filipino Ronnie Nathanielsz, outros patrocinadores podem seguir o exemplo da Nike.

"Vai afetar o bolso dele, com certeza", disse.

A revista Forbes calculou em 160 milhões de dólares o faturamento de Pacquiao em 2015, sendo 12 milhões procedentes dos contratos com os patrocinadores.
Vários atletas usaram as redes sociais para criticar Pacquiao, como o jogador de basquete Jason Collins, um dos primeiros atletas americanos a revelar sua homossexualidade: "Perdeu o meu respeito", afirmou, antes de chamar o filipino de "fanático".

"Temos que deixar que as pessoas vivam suas vidas da maneira que elas desejarem", disse ao TMZ Sports Floyd Mayweather, que derrotou o filipino em maio de 2015 naquele que é considerado o combate mais lucrativo de toda a história (quase 600 milhões de dólares de arrecadação).