O alto custo de manutenção dos veículos, sobretudo o dos combustíveis, que estão prestes a bater os R$ 7 em postos mineiros, combinado com elevadas taxas cobradas pelos maiores aplicativos de mobilidade, que ainda relutam em reajustar tarifas e beneficiar seus parceiros, tem provocado mudanças em tal mercado. 

Na capital, por exemplo, alguns profissionais do transporte de passageiros se associaram e criaram, há cerca de dois meses, uma plataforma própria, sem taxas e com mensalidades fixas para os associados (R$ 30 por mês, nos seis primeiros meses, e depois disso por semana): a 7Move. Além disso, operadoras mundiais do segmento ainda conhecidas por aqui, como a russa InDriver, põem em prática planos de expansão de olho em fragilidades das concorrentes. 

No caso da 7Move, segundo um dos “pais” do aplicativo, o motorista Rodrigo Vieira, a ideia é, por um lado, atrair cada vez mais colegas entre os cerca de 70 mil que atuariam, hoje, na Grande BH – os números são estimados, já que não há um cadastro oficial –, com a promessa de remunerações mais justas e custos mais baixos. 

Por outro, a plataforma alternativa procura cativar novos clientes, oferecendo, entre outras vantagens, a garantia de que não há cancelamentos de corridas de baixos valores pelos motoristas – como tem ocorrido com frequência para que usuários de grandes plataformas.

“No início, juntamos 50 profissionais, cada um contribuindo financeiramente para viabilizar a ideia, por alguns meses. Com isso, somamos o capital necessário, desenvolvemos e lançamos o 7Move, que tem crescido bastante, desde julho. Em agosto, fechamos o mês com 1.600 motoristas e 8.700 passageiros. Nossa meta para outubro é chegar a 7 mil profissionais e 50 mil clientes”, conta Vieira. 

Para o também profissional do volante Paulo Xavier, presidente da Frente de Apoio Nacional ao Motorista Autônomo (Fanma), a iniciativa tem tudo para dar certo por dois aspectos. Primeiro, no financeiro: “Hoje, as taxas das plataformas maiores consomem de 30% a 40% do que o motorista fatura. Com a 7Move, ele pagará, depois de seis meses, apenas R$ 30 por semana”, afirma.

Serviço criado pelos próprios profissionais quer cativar clientes com vantagens, como a garantia de que não há desistência de corridas

O outro fato tem a ver com a segurança, tantop na avaliação de docuentos e perfil dos profissionais quanto dos passageiros. “Nesse segundo caso, por exemplo, hoje a pesoa baixa o APP das grandes e já está imediatamente liberado para usar. No novo serviço, o cadastro passa por uma avaliação mais ampla, em 24 horas”, completa.

Sibéria

O momento complicado tem ajudado novos players mundiais do setor a ampliar a base na Grande BH. Criada na Sibéria em 2012, a InDriver, há apenas três anos no país e que intermedeia o transporte de passageiros e encomendas, fez em agosto ação para recrutar parceiros em um shopping de Contagem. 

Sem relevar números finais, a empresa garante ter registrado aumento de 50% nos pedidos inDriver e de 35% em novos cadastros. “Nossa comissão pela intermediação é a menor do mercado, o que possibilita vantagens financeiras para ambos os lados da cadeia,” afirmou Fernando Lucas, gerente de Desenvolvimento de Negócios para Brasil e América Latina.

Leia também:

Solução para APPs seria subir ‘um pouco’ os preços das corridas, equilibrando os impactos da crise