A Gerdau, maior produtora de aço do país, anunciou, nesta sexta-feira (6), um plano de investimento de R$ 6 bilhões em Minas Gerais nos próximos cinco anos, para modernização, atualização tecnológica e ampliação de suas operações locais. O aporte, segundo a empresa, reforça o compromisso com o desenvolvimento sustentável, econômico e social do Estado e gerará mais de 6 mil novos postos de trabalho diretos e indiretos. 

Os investimentos estão divididos em três eixos: crescimento, atualização tecnológica e diversificação, tendo o aprimoramento das práticas ambientais como premissa transversal ao programa anunciado. Trata-se de um plano que contemplará todas as regiões onde a Gerdau possui atuação, beneficiando dezenas de municípios mineiros, em atividades de produção de aço, mineração, produção de energia renovável e a atividade de florestas plantadas.

Dois importantes investimentos na ampliação da produção de aço ocorrerão em Ouro Branco (MG), onde a empresa possui sua principal usina produtora. A unidade terá a capacidade anual de produção de bobinas a quente ampliada em 250 mil toneladas/ano, com o início da produção previsto para início de 2024. Além disso, estamos ampliando a produção de perfis estruturais em 500 mil toneladas/ano, dobrando a atual capacidade, e com início da produção projetado para 2025. Com isso, a Gerdau visa seguir atendendo ao crescente consumo dos setores consumidores destes produtos no Brasil e na América Latina.

“A nova capacidade de bobinas a quente nos permitirá entregar aço com cada vez maior valor agregado aos nossos clientes. Por sua vez, a produção adicional de perfis estruturais, segmento no qual somos pioneiros no Brasil desde os anos 2000, está alinhada à nossa estratégia de desenvolvimento da indústria de construção metálica, contribuindo para uma maior produtividade dos segmentos imobiliário, industrial e de infraestrutura”, diz Marcos Faraco, vice-presidente da Gerdau.

Os investimentos também serão alocados no aprimoramento de práticas ambientais e modernização tecnológica no âmbito da Indústria 4.0 de todo o seu parque industrial da Gerdau em Minas Gerais, incluindo não somente a unidade de Ouro Branco, mas as plantas localizadas nos municípios de Barão de Cocais,Divinópolis e Sete Lagoas. Para estas unidades, temos um plano arrojado de uso de ferramentas digitais de controle de processo e decisão, ampliação dos sistemas de automação, uso de ferramentas para ganhos de eficiência energética, aumento da eficiência hídrica  e também, modernização dos equipamentos de controle de emissão de particulado, o que trará impactos ambientais positivos para as comunidades vizinhas a essas operações. 

“Este ciclo de investimentos em Minas Gerais é parte da estratégia global de crescimento da Gerdau e reflete as nossas iniciativas de inovação e a evolução da nossa estratégia de sustentabilidade. Com este aporte, também buscamos a sustentação da competitividade dos nossos negócios no estado, aumentando ainda mais a parceria virtuosa com a sociedade mineira, criando oportunidades futuras na região neste ano em que a companhia completa 120 anos de história”, afirma Gustavo Werneck, diretor-presidente (CEO) da Gerdau.

Recorde

Nesta semana, a Gerdau já havia anunciado ter obtido lucro líquido de R$ 3,9 bilhões referente às operações no segundo trimestre, um salto gigantesco sobre o resultado positivo de R$ 315 milhões de um ano antes. Entre os motivos para a expansão do lucro, estão o desempenho da construção civil nos mercados norte-americano e brasileiro e os preços elevados do aço.

O resultado da siderúrgica também refletiu reconhecimento de créditos tributários da ordem de R$ 393 milhões relacionados à decisão do STF, que excluiu o ICMS base de cálculo das contribuições Pis e Cofins. Em termos ajustados, o lucro alcançou quase R$ 3,4 bilhões, recorde trimestral.