O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse nesta segunda-feira (30) que é preciso garantir a segurança e a competitividade da economia brasileira. Depois de expor, no fórum empresarial promovido pelo grupo Lide, em São Paulo, a necessidade do ajuste fiscal, ele apresentou os principais pontos da agenda de crescimento do governo. "Nós perdemos produtividade nos últimos anos e precisamos recuperá-la.

Levy ressaltou a importância de aumentar a inserção do País no comércio global e disse que as condições para isso começam a se tornar favoráveis, até mesmo em função da recente alta do dólar. "Isso vai ser um vetor cada vez mais importante, tanto para o setor automobilístico como para o de máquinas e também para as pequenas e médias indústrias, que vão aumentar as exportações".

Segundo ele, a rota de crescimento econômico já está desenhada e envolve bastante a questão dos investimentos. "Temos enorme vantagem de recursos naturais, agricultura, mas com a mudança de preços relativos no mundo vamos ter de competir em outras áreas. Se ajustarmos rápido, vamos poder retomar o crescimento em outras áreas, e isso é essencial para proteger os ganhos sociais dos últimos anos", comentou.

Para o ministro, o estímulo ao crescimento também virá da nova classe média, ou seja, do mercado de consumo doméstico. "Os mercados brasileiros hoje são completamente diferentes do que há 10, 15 anos. Queremos avançar nessa rota da inclusão, cada vez mais ampla, que envolve o bom desafio de desenvolver a classe média".

O titular da Fazenda também ressaltou a importância de medidas estruturais, que podem não trazer resultados imediatos, mas são essenciais. "Elas vão dar os sinais corretos para as pessoas investirem, sabendo que em cinco, dez anos a economia vai estar equilibrada".