A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) prevê que o custo da energia para a indústria crescerá 34,3% este ano. A entidade revisou sua projeção, que inicialmente estava em 27,3%. Na revisão, foram levados em conta o fim do subsídio do Tesouro e estimativas conservadoras sobre as condições do novo empréstimo ao setor.

Na revisão de suas projeções sobre o custo da energia para a indústria, a Firjan apontou nesta quarta-feira, 4, crescimento de 0,4% no valor médio, passando de R$ 402,2 por megawatt/hora (MWh) para R$ 403,8 por MWh. Nesse cálculo, foram levados em conta os primeiros reajustes autorizados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) desde o início do ano.

Segundo a Firjan, hoje o País já ocupa a sexta posição na lista dos países com a energia mais cara para a indústria. O topo do ranking de 28 países elaborado pela entidade é ocupado pela Índia, com custo de R$ 596,96 por MWh.

A projeção de aumento para 2015 pode chegar a 39,8% se o governo optar por elevar em 50% o valor da bandeira vermelha. Nesse caso, o custo da energia em dezembro de 2015 alcançaria R$ 504,81 por MWh. Ainda não estão incluídos na conta o repasse do aumento do custo de energia de Itaipu e eventuais pedidos de reajustes extraordinários das distribuidoras, informou a Firjan em nota.

Dados completos sobre o custo da energia para a indústria podem ser encontrados no site www.firjan.org.br/quantocusta.