Ainda dá tempo de visitar a 15ª Feira Nacional de Franquias, a 15ª Franchising Fair. Sediada no Expominas, região Oeste de Belo Horizonte, neste ano, o evento, que termina neste sábado (18), é realizado nas principais capitais do país. A expectativa é a de que R$ 40 milhões sejam movimentados em decorrência da feira. O horário de funcionamento é das 10 às 18 horas, e o ingresso custa R$ 15.

“Muitos expositores bateram a cota de vendas no primeiro dia do evento”, afirma o organizador, Ademar Pahl. O sucesso, na avaliação dele, é resultado do bom desempenho do setor.
Em Minas Gerais, de acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF), o setor cresceu 18% no ano passado, na comparação com 2011. O índice é mais de três vezes superior ao registrado pela inflação no período, de 5,84%. Para este ano, a previsão é a de que a alta permaneça em 18%.

“Outro fator de crescimento do franchising está relacionado com a formatação de negócios tradicionais em modelos de franquias, profissionalizando ainda mais o varejo brasileiro”, afima Adir Ribeiro, sócio fundador da Praxis Business.

Além de superar a inflação, o índice também é maior do que a média nacional. No Brasil, o crescimento foi de 16,2%. As franquias de Minas Gerais, ainda de acordo com a ABF, faturaram R$ 3,6 bilhões no ano passado, o equivalente a 3,5% da receita brasileira do setor, de R$ 103,3 bilhões. Para este ano, estima-se aumento de 10% na receita.

Com relação à quantidade de redes que atuam em solo mineiro, houve alta de 22,9% no último ano, enquanto as unidades franqueadas cresceram 13,7%. Tais índices garantem a Minas a terceira posição em número de unidades franqueadas, com 8% das lojas do país, atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro.

Atualmente, Minas tem 145 marcas franqueadas, contra 118 em 2011. O setor de alimentação representa 22,1% das redes instaladas no Estado, seguidos por esporte, saúde, beleza e lazer (18,6%), educação e treinamento (16,6%), vestuário (11%), e negócios, serviços e outros (9%). “Serviços está em franca expansão no país”, garante Pahl.

Leia mais na Edição Digital