Foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (27) a rescisão unilateral do contrato entre a Precisa Medicamentos, que intermediava a venda da vacina Covaxin, produzida pela farmacêutica indiana Bharat Biotech, com o governo brasileiro.

Pelo contrato, seriam compradas 20 milhões de doses - ao custo de R$ 1,6 bilhão. Em junho, após denúncias de irregularidades envolvendo a compra dos imunizantes se tornarem alvo da CPI da Pandemia do Senado, a suspensão do acordo foi anunciada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

vacina

Pelo contrato, seriam compradas 20 milhões de doses do imunizante - ao custo de R$ 1,6 bilhão

No mesmo mês, a fabricante Bharat Biotech anunciou a rescisão de seu contrato com a Precisa. Em nota divulgada na época, a farmacêutica indiana afirmou que a medida tinha "efeito imediato”.

CPI

Documentos enviados pelo Ministério das Relações Exteriores à CPI revelaram que o valor de US$ 15 por dose, negociado pelo governo brasileiro para a compra do imunizante, era superior ao estimado pela Bharat Biotech.

Em comunicado publicado em junho, a Precisa Medicamentos havia informado que esse preço estava em conformidade com os custos para o mercado global.

*com Agência Brasil

Leia mais:
Incidência de síndrome respiratória aguda grave parou de cair e pode voltar a crescer, diz Fiocruz
Minas registra 71 óbitos e 2.990 casos de Covid-19 em 24 horas
Moradores de cidade mineira vão participar de ensaio clínico da ButanVac