Representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do laboratório indiano Bharat Biotech, da empresa brasileira Precisa Farmacêutica e do Instituto Albert Einstein se reuniram nesta quinta-feira (4) para discutir os requisitos para que a vacina indiana Covaxin, contra Covid-19, possa ser utilizada no Brasil.

O encontro foi divulgado pelo órgão regulador, que disse tirar “todas as dúvidas dos envolvidos para auxiliar no andamento do processo”.

A agência apresentou às empresas responsáveis dois caminhos: o pedido de autorização para a realização de testes clínicos no Brasil, em busca de um registro definitivo; ou a apresentação de resultados de estudos da fase 3 realizados em outros países, que pode levar ao aval para o uso emergencial da vacina.

Em relação ao uso emergencial, porém, a Anvisa destacou que “a decisão sobre como e quando será feito o pedido é exclusiva da empresa”.

Nesta semana, cinco técnicos da agência inspecionam as instalações da Bharat Biotech na Índia. Caso atenda a uma série de critérios, a empresa receberá um Certificado de Boas Práticas de Fabricação, documento necessário para que a vacina desenvolvida pela empresa possa ser utilizada no Brasil. 

Na semana passada, o governo anunciou ter assinado um contrato para a compra de 20 milhões de doses da Covaxin, com entrega prevista entre março e maio. A utilização do imunizante, no entanto, depende da autorização da Anvisa.

Até o momento, somente duas vacinas possuem autorização para uso emergencial no Brasil: a Coronavac, da chinesa Sinovac e produzida no país pelo Instituto Butantan; e a vacina Covishield, desenvolvida pela empresa AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, que é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).    

Apenas uma vacina recebeu registro definitivo da Anvisa até o momento, o imunizante desenvolvido pela norte-americana Pfizer.  

Eficácia

Nesta quarta-feira (3), o Bharat Biotech divulgou os resultados clínicos de estudos da fase 3, segundo os quais a Covaxin possui eficácia de 81% contra a contaminação por Covid-19.

A opção indiana é aplicada em duas doses, a partir de vírus inativado e pode ser armazenada em temperaturas que variam de 2ºC a 8ºC, de acordo com a fabricante. O imunizante é um dos dois que foram aprovados para uso emergencial pelo governo da Índia. 

Leia mais:
Butantan recebe insumos para mais 14 milhões de doses de vacina
Estado impõe toque de recolher a 60 municípios do Triângulo; em BH, lojas permanecem abertas
Vacinação drive-thru para idosos de 86 a 88 anos ocorrerá em três pontos de BH neste sábado; confira