Nos últimos anos, incontáveis campanhas de recall foram acionadas para substituir os airbags defeituosos da Takata, que comprometeram a segurança de mais de 60 milhões de unidades ao redor do mundo. E por aqui as bolsas continuam dando prejuízo.

Desde fevereiro de 2020 a Honda iniciou recall para substituição dos airbags, que podem disparar fragmentos contra os ocupantes, para o Civic fabricado de 1996 a 2000. Acontece que, além de trocar o componente, a marca tem adquirido algumas unidades por não conseguir resolver o problema, como noticiou o Autos Segredos.

N/A

DEU RUIM – A Honda decidiu comprar unidades fabricadas de 1998 a 2000 do Civic como solução para o recall da Takata; desativação incorreta das bolsas teria inviabilizado a substituição

Segundo o portal mineiro, a japonesa está comprando unidades que foram convocadas no início de 2020 e tiveram as bolsas desabilitadas. De acordo com as apurações do site, as unidades tiveram a conexão danificada pelos cortes da fiação do sistema, o que tornaria o reparo inviável.

Ao que tudo indica, o primeiro momento do recall, que era desligar as bolsas, foi feito de forma incorreta. E para conectar um airbag novo seria preciso um reparo bem mais caro, o que, segundo o site, se tornaria inviável. Ou seja, comprar o carro é mais barato do que corrigir a lambança.

Assim, a Honda decidiu comprar unidades fabricadas de 1998 a 2000 pelo valor de avaliação da Fipe. De acordo com o Autos Segredos, cerca de 300 unidades do sedã já foram encaminhadas para as fábricas de Sumaré e Itirapina para serem destruídas.

No entanto, a Honda não confirma o volume divulgado na reportagem, e afirma que as compras são pontuais e faz parte do controle de qualidade, que monitora carros que estão em circulação.

“A Honda, pautada pelo princípio de respeito aos clientes, informa que o atendimento para o reparo de insufladores de airbag segue vigente e reforça que esse procedimento pode ser realizado mesmo quando, previamente, houve o corte da fiação do componente, uma vez que a peça é substituída por completo. A empresa realiza tratativas individualizada com os consumidores e pode realizar a recompra em casos pontuais, e não confirma a informação de que 300 veículos já foram readquiridos. A Honda Automóveis possui criterioso processo de controle de qualidade em sua linha de produção e executa, de forma constante, o monitoramento das unidades já vendidas como forma de assegurar que os seus produtos atendam aos mais rigorosos padrões de qualidade e segurança”.

Takata

Os airbags da Takata setornaram uma dor de cabeça global e praticamente sem fim. O defeito no invólucro do insuflador, que se deteriora e pode disparar estilhaço contra o condutor e o passageiro da frente, já fez vítimas fatais em todo mundo, inclusive no Brasil. Ao todo, mais de 60 milhões de automóveis foram afetados pelo defeito.

Leia mais:
Mobi 2022 e a escassez dos populares; editor do HD Auto comenta
GM confirma rival para Fiat Toro; editor do HD Auto comenta