A troca de farpas entre o prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PSD) e o governador de Minas Romeu Zema (Novo) sobre o Carnaval de 2022 tem crescido nas últimas semanas. Nesta sexta-feira (26), durante uma entrevista coletiva na Assembleia Legislativa do Estado (ALMG), o líder do executivo municipal disse que estão dando “palpite” na forma como ele vem conduzindo a realização (ou não) da folia na capital.

A fala de Kalil é uma indireta à declaração feita por Zema na última terça-feira (23). Sem citar nomes, o governador afirmou que os prefeitos dos municípios devem decidir sobre o futuro do Carnaval no próximo ano. “O pior que uma prefeitura pode fazer é não interferir em nada e falar: 'Eu não tenho nada a ver com isso'. Quando temos qualquer evento maior, é necessário que cada prefeitura pelo menos oriente; organize; não precise patrocinar. Mas se omitir nesse momento seria o menos adequado a se fazer", diz o governador.

Em sua fala na ALMG nesta sexta-feira, Kalil afirma que apenas recomendar à população que não saia às ruas em fevereiro não é eficaz. "Fazer papelzinho de recomendações não serve. Nunca fez um Carnaval na vida. Então não venha ensinar o pai-nosso ao vigário".

Carnaval 2022 

Há uma semana, na sexta-feira (19), a Prefeitura de Belo Horizonte informou que não patrocinará o Carnaval do próximo ano. Porém, o prefeito Alexandre Kalil deixo claro que a administração municipal garantirá a segurança de quem sair espontaneamente às ruas.

“Eu autorizei o presidente da Belotur a investir o dinheiro do Carnaval em evento posterior. Nós não vamos guardar o dinheiro da Cultura e dos eventos. Nós vamos investir em cultura e eventos. Mas, no Carnaval, depois que (a pessoa) vem da praia, do Réveillon e chga na folia, é chamar o azar pro nosso lado. E eu não quero dar sopa para o azar”, diz o prefeito.

Já no dia 11 de novembro, o presidente da Belotur Gilberto Castro participou de uma audiência pública na Câmara Municipal de BH e afirmou que a Prefeitura não tinha condições de garantir a realização do Carnaval de 2022. A taxa de vacinação contra a Covid-19 em apenas 30% dos jovens de 20 a 30 anos foi apontada como um empecilho para a realização do evento.

Na última quarta-feira (24), o governador também mostrou não ser favorável à realização da festa nos municípios do Estado. Em entrevista à rádio Itatiaia, Zema diz que mesmo com os números da Covid sob controle, não se sabe se é seguro e conveniente promover grandes aglomerações como as que ocorrem durante a folia. “Eu continuo sendo favorável a ter cuidado, porque cuidado e precaução nunca fizeram mal a ninguém”, explica.

Leia também
‘Interrogação’: Zema afirma que realização do carnaval de 2022 em Minas ainda é incerta
‘O governo não tem conhecimento técnico para conduzir esse debate’, diz Kalil sobre o Rodoanel