O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, disse nesta quarta-feira (8) que desprezar decisões judiciais, por iniciativa do chefe de qualquer Poder, configura crime de responsabilidade. O ministro também fez questão de reforçar que "ninguém fechará" a Corte.

O discurso de Fux ocorre após as manifestações do 7 de Setembro, nas quais o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), atacar o STF, afirmando que não vai mais cumprir decisões do também ministro do STF Alexandre de Moraes.

Fux disse que não se pode confundir a critica institucional com narrativas de descredibilização da Corte e de seus membros.

“O STF não tolerará ameaças à autoridade de suas decisões. Essa atitude, além de representar atentado à democracia, é crime de responsabilidade a ser avaliado pelo Congresso”, disse, se referindo às falas de Bolsonaro.

Política do Caos

O ministro afirmou ainda que quem promove discurso de ódio contra o STF está provocando a "política do caos" e chamou os brasileiros a olharem as narrativas de forma crítica.

"Estejamos atentos a esses falsos profetas do patriotismo, que ignoram que democracias não admitem que se coloque o povo contra o povo, ou o povo contra suas instituições", disse e completou: "Povo brasileiro, não caia na tentação das narrativas fáceis e mecânicas, que criam falsos inimigos da nação"

Problemas do Brasil

Líderes dos poderes brasileiros também foram convocados pelo ministro a se dedicarem aos "problemas reais" que o país enfrenta, como a pandemia, que ainda não acabou e que "já levou para o túmulo 580 mil vidas brasileiras". 

"Devemos nos preocupar com o desemprego, que conduz o cidadão brasileiro ao limite da sobrevivência biológica; nos preocupar com a inflação, que corrói a renda dos mais pobres; e com a crise hídrica, que ameaça a retomada econômica", enumerou.

Leia Mais:
Lira prega pacificação e afirma que debate sobre voto impresso é falta de compromisso com o Brasil