Durante a tradicional live de quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse, ontem (11), ter uma conversa agendada para esta sexta (12) com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, para negociar a aquisição de um remédio contra a Covid-19.

O medicamento a que Bolsonaro se refere é um spray desenvolvido no Centro Médico Ichilov, em Tel Aviv. De acordo com o The Times of Israel, o hospital revelou que a substância EXO-CD24 recuperou os 30 pacientes em casos graves ou moderados da doença que participaram do teste. No entanto, os estudos ainda estão na primeira fase.

“Esse novo spray está servindo, pelo menos experimentalmente, para pessoas em estado grave. Agora sim. Está em estado grave? Toma, poxa. Vai esperar ser intubado?”, disse o presidente.

Bolsonaro, porém, reconheceu que o fármaco não possui comprovação científica, assim como a hidroxicloroquina e outras substâncias sugeridas no “tratamento precoce” defendido pelo chefe de Estado e o Ministério da Saúde. 

“Estamos trabalhando com o nosso ministro Ernesto Araújo e com mais gente do nosso governo tratando dessa questão com o hospital lá de Israel que está desenvolvendo esse possível remédio”, acrescentou. 

O presidente também afirmou que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) avaliará o spray assim que o produto for importado de Israel. 

“A Anvisa reconhecendo que existe realmente a possibilidade de cura, que o efeito colateral realmente é pequeno, vamos autorizar esse spray aqui no Brasil”, concluiu.

Leia mais:

Ainda sem revelar o valor, Bolsonaro estima que auxílio emergencial deve voltar a ser pago em março
BH abre 80 postos de saúde no sábado para vacinar 24 mil idosos contra a Covid
Câmara aprova até 12 anos de prisão e multa para os 'fura-fila' da vacina