O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), criticou as medidas tomadas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na condução do combate à Covid-19. Segundo o chefe do Executivo da capital mineira, o comandante da nação “errou muito na pandemia”.

Durante uma entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira (30), o prefeito alegou que Bolsonaro poderia ter gastado menos se tivesse outra postura. 

"Ele derramou dinheiro na pandemia. Negar a pandemia era verbalizar, foi de graça. Não custou nada. Então o mais difícil de fazer, ele fez. Não economizou na pandemia. Se ele não tivesse negado, ele teria gastado, provavelmente, a metade do que ele gastou. Se ele tivesse liderado a nação, ele teria gastado a metade do que ele gastou”, disse Alexandre Kalil.

Para o mandatário, o presidente da República é um líder da nação e não precisa ser amigo dos prefeitos, apenas cumprir o papel como chefe de Estado e repassar verbas para a saúde, educação e infraestrutura, entre outras funções. 

“Na hora de reconstruir a cidade (após as chuvas de janeiro), custou R$ 200 milhões e o governo federal mandou R$ 7 milhões e o estadual zero. É pra isso que eu preciso dele, meus amigos de tomar cerveja eu já tenho. Faltou a liderança que a gente está vendo na Europa, que é o primeiro ministro que fala, o presidente que fala, o líder nos guiando”, completou Kalil. 

Leia mais:
Kalil não descarta governo de Minas e diz que, 'se for carregado', disputa até a presidência
BH terá supersecretaria para comandar o transporte público, revela Kalil
Para Alexandre Kalil, PT e PSDB ‘estão mortos em BH’