Dormir bem na terceira idade? Para muitos idosos, a realidade não é bem essa. Acordar por volta das 4h ou conviver com sono “picado” são queixas frequentes nos consultórios médicos. Estudos realizados em várias partes do mundo, inclusive no Brasil, indicam que quatro em cada dez pessoas acima de 60 anos relatam sono ruim. Mas, para melhorar o quadro, a receita passa pela própria compreensão do processo de envelhecimento.

É o que afirma o geriatra Daniel Apolinário, do Hospital HCor. Segundo ele, nessa etapa da vida é natural a diminuição da necessidade de sono. Também deve se levar em consideração que o tempo de intervalo entre se deitar e efetivamente dormir é um pouco maior.

“O idoso que não aceita as alterações relacionadas ao envelhecimento e faz questão de ter 8 horas de sono profundo corre o risco de acabar tomando medicações inapropriadas. Essas medicações funcionam bem nos primeiros dias de uso, mas, com o tempo, vão perdendo o efeito e a pessoa passa a necessitar de doses cada vez mais altas, correndo o risco de desenvolver dependência”, alerta o médico.

Sobre acordar durante a madrugada, o geriatra destaca que o sono do idoso é mais leve. Dessa forma, despertam mais facilmente com pequenos estímulos.

O que fazer?

Mesmo assim, algumas medidas podem ajudar essas pessoas a dormirem melh[/TEXTO]or. Acordar no mesmo horário todos os dias, mesmo que precise lançar mão de um despertador, é uma das recomendações.

As atividades físicas também devem ser incluídas na rotina do idoso. Daniel Apolinário sugere os exercícios pela manhã ou à tarde.

Durante o dia, o ideal é não tirar as famosas sonecas. Ao invés disso, a recomendação é procurar fazer atividades dinâmicas nos horários com mais probabilidade para adormecer.

À tarde e à noite, ainda conforme o especialista, é preciso evitar bebidas alcoólicas ou com cafeína.

Além disso:

Perto de dormir, o geriatra Daniel Apolinário sugere implementar uma rotina preparatória que pode incluir técnicas de relaxamento. Assim, o corpo entende que está chegando a hora de pegar no sono. As preocupações não devem ser levadas para a cama. 

Nesses momentos, também não é recomendável usar celulares ou computadores ou assistir televisão. O ideal é deixar o ambiente escuro, sem ruídos e com temperatura agradável.

Agora, se a pessoa se deitar e passar mais de 20 minutos sem adormecer, o médico orientar levantar-se e ir até outro cômodo para realizar uma atividade relaxante, retornando à cama quando tiver sono.

 

(*) Com Renata Galdino