O Jeep Renegade é um carro legal. Tem visual robusto que remete ao clássico Wrangler e caiu no gosto do consumidor brasileiro. Até o ano passado divida a preferência do público com o irmão Compass. Hoje o jipe não goza do mesmo prestígio de outrora. Ele foi superado pelo Volkswagen T-Cross que disparou e assumiu a liderança do segmento.

No entanto, o Renegade conta com um atributo que nenhum outro SUV compacto oferece: a combinação do motor turbodiesel, transmissão de nove marchas (com primeira na condição de reduzida) e tração 4x4. Isso porque a grande maioria dos utilitários de seu porte são carros para uso citadino. O mais longe que eles vão é numa estrada de terra (que precisa estar seca e sem facões).

 

E como a marca Jeep se constituiu a partir de um utilitário desenvolvido para a Segunda Guerra, o Renegade jamais poderia ser um jipinho de shopping. E a versão Trailhawk é ponto alto de sua capacitação fora de estrada.

Com preço de R$ 158.280, essa versão é o carro para chafurdar na lama, atravessar riachos, encarar barrancos e buracos. É um pacote muito gordo de dinheiro para maltratar o carrinho dessa forma, mas ele foi projetado para isso. A versão conta com pneus de uso misto, ganchos de amarração e suspensão elevada.

Apesar de ser a versão “brucutu” do Renegade, ele também resolve bem na cidade. Afinal tem as mesmas medidas das versões flex, que partem de R$ 80 mil. Daí, escolher essa versão deve ser uma decisão com base no uso desses recursos exclusivos. 

Pois se for apenas para ter um jipinho descolado com grade de sete grelhas e faróis redondos, melhor optar pela versão de entrada que já entrega transmissão automática e um monte de recursos semelhantes.

No entanto, se o amigo busca um carro diesel 4x4 para cair na lama, mas não quer apostar numa picape como a própria Fiat Toro ou não tem cacife para encarar os jipões cascudos como Trailblazer, Pajero Sport e Hilux SW4 que já batem na casa dos R$ 300 mil, o Renegade é a opção mais acessível. São pontos de vistas que podem justificar a escolha. Mas o que importa é o que realmente o amigo necessita. Pois um Trailhawk para andar na cidade é matar mosca com bazuca.

Raio-x Jeep Renegade Trailhawk 2.0 4x4

O que é?
Utilitário-esportivo (SUV) compacto de cinco lugares.

Onde é feito?
Produzido na unidade de Goiana (PE).

Quanto custa?
R$ 158.290

Com quem concorre?
O Renegade é o único SUV compacto com motor turbodiesel e tração 4x4. O rival mais próximo é o irmão Compass.

No dia a dia
O Renegade é um jipinho que já se mostrou bem adaptado para o uso urbano. Com a versão Trailhwalk não é diferente. No entanto, os pneus de uso misto transmitem mais ruído de rolagem para a cabine. 

Mesmo assim é um automóvel confortável e com ótimo nível de acabamento, com direito a bancos, painéis de porta, volante e manopla revestidos em couro, assim como material emborrachado na “zona de tato”. 

Já o pacote de conteúdos conta com itens como partida e destrava sem chave, direção elétrica, ar-condicionado automático de duas zonas, multimídia (Com Apple CarPlay, Android Auto, USB, Bluetooth e câmera de ré), trio elétrico (vidros, travas e retrovisores elétricos), freio de estacionamento eletrônico, sensor de estacionamento traseiro, sete airbags, luzes diurna (DRL) e rodas em liga leve aro 18. 

O único opcional é o teto solar panorâmico, que custa quase R$ 9 mil, além da pintura que parte de R$ 1.700 na cor metálica e R$ 2.380 na combinação bicolor.

Motor e transmissão
O motor turbodiesel 2.0 de 170 cv e 35,7 mkgf de torque garante ao Renegade força de sobra para a compacta carcaça. Aliado à transmissão de nove marchas e tração 4X4 e função reduzida (que na verdade é a primeira marcha), seletor de tipo de piso e bloqueio de diferencial, o Renegade é capaz de encarar qualquer tipo de terreno e até mesmo ladeiras da capital, onde a grande maioria dos automóveis não consegue subir ou nem mesmo descer.

Como bebe?
O consumo combinado entre urbano, rodoviário e trechos fora de estrada foi de 10,5 km/l.

Suspensão e freios
A versão utiliza suspensão independente nas quatro rodas com acerto para uso fora de estrada, o que penaliza o conforto. Ela é mais alta que nas demais versões, justamente pelo seu perfil off-road e oscila mais que as demais versões. Por outro lado, praticamente ignora lombadas e se a situação exigir, meio-fio também. 

Para facilitar as frenagens, o SUV conta com freios a disco nas quatro rodas, além de controle de partida em rampa (Hill Holder), freio de estacionamento eletrônico, HDC (controle eletrônico de velocidade em descidas), controles de estabilidade (ESC), tração, estabilidade para trailler (com uso de engate Mopar) e anticapotamento.

Palavra final
O Renegade Trailhawk não é barato, mas é um carro excepcional para quem busca um veículo com capacidade off-road, mas também precisa de mobilidade no tráfego urbano. 

Entre os off-road turbodiesel, ele é o mais barato (melhor, menos caro) do mercado e a opção que se aproxima em preços é o Compass. Depois o tíquete vai às alturas com Trailblazer, Pajero Sport, Hilux SW4 e chega ao “Everest” com novo Defender. <EM>

Brincar na terra não é para qualquer um!