Marcelo de Souza e Silva

Marcelo defende criação de agência de fomento para incentivar novos negócios

O fim do prazo para realização das convenções partidárias que indicaram candidatos à Prefeitura de Belo Horizonte e à Câmara Municipal é apenas o primeiro passo de um processo. Que culmina no próximo dia 27, quando terá início a propaganda partidária e a campanha começa efetivamente. Até lá, prosseguem as negociações de bastidores que podem tirar alguns nomes da disputa à PBH e gerar alianças que passem pela indicação de nomes para vice. É possível registrar as chapas definitivas até o dia 26 junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG), de modo totalmente eletrônico. A oficialização das candidaturas depende da aprovação da documentação e dos requisitos da legislação eleitoral.

As duas primeiras chapas inscritas foram as dos empresários Marcelo de Souza e Silva (Patriota) e Rodrigo Paiva (Novo). Nos respectivos programas de governo, propostas bastante semelhantes, especialmente no que diz respeito à preocupação com os setores de comércio e serviços, e o fomento à criação de novos negócios. Ambos diagnosticam um cenário de atraso tecnológico na cidade.

Presidente do CDL-BH, Marcelo propõe a criação de uma Agência de Fomento Municipal que ajude os pequenos e médios empresários por meio de microcrédito e incentivos. Setores considerados estratégicos como o aeroespacial,  automotivo,  microeletrônica, tecnologia  da  informação, ciências da vida e economia criativa terão redução do ISS. Outra preocupação é com a burocracia para a abertura de novos negócios. A proposta é de um 'revogaço' que anule todos os decretos e decisões consideradas nocivas ao desenvolvimento da atividade econômica, e a adoção da aprovação tácita de novos empreendimentos, salvo em casos de atividades de risco.

Rodrigo Paiva

Paiva defende redução da alíquota do ISS na capital

Aspecto também citado na proposta de governo de Rodrigo Paiva, que prevê medidas para facilitar o processo de abertura e funcionamento de empresas. Segundo ele, a atual gestão é 'inimiga da tecnologia', o que se refletiria não só nos próprios processos como no pouco incentivo a uma das vocações recentes da cidade: a de polo de startups e empresas de tecnologia de ponta. Ele também acena com a redução progressiva da alíquota do ISS até a adoção de um percentual próximo dos 2%, o mínimo permitido pela legislação.

PSOL

No começo da noite, a Frente BH em Movimento (PSOL/UP/PCB) também registrou sua chapa, com a deputada federal Áurea Carolina, e Leonardo Péricles como vice. O programa de goveno enfatiza a atenção às comunidades em situação de maior vulnerabilidade; a participação democrática na gestão e a preocupação com práticas inclusivas e sustentáveis. O sistema do TSE recebeu dados de 215 municípios do Estado.