O fundador da rede varejista Ricardo Eletro, Ricardo Nunes, presta depoimento, na manhã desta quinta-feira (9), no inquérito que investiga sonegação de impostos e de lavagem do dinheiro desviado do fisco. O empresário foi preso em São Paulo, e transferido para Minas Gerais.

Ele passou a noite no Centro de Remanejamento de Presos (Ceresp) de Contagem, na Grande BH, e será conduzido para uma delegacia do município. Os delegados irão ouvir Ricardo às 10 horas. A defesa do suspeito espera que, depois do testemunho, o empresário seja liberado.

"Ele vai prestar depoimento e pode ser que volte para casa na sequência", declarou o advogado Marcelo Leonardo. O defensor revelou que a filha de Ricardo, que também havia sido detida ontem, durante a operação "Direto com o Dono", já está em casa. "Ela colaborou com as investigações e foi liberada ontem mesmo", garantiu.

Um diretor financeiro do grupo também teve a prisão decretada, mas não foi encontrado e estava sendo considerado foragido. Marcelo Leonardo disse que a defesa dele já negociou com a Justiça, e que o suspeito vai se apresentar ainda hoje. "Ele não é mais considerado foragido", declarou.

Sonegação milionária

Conforme as investigações, há quase uma década a Ricardo Eletro cobrava dos consumidores, embutido no preço dos produtos, o ICMS. No entanto, o valor do imposto não era repassado ao Estado. Em novembro do ano passado, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu apropriação indébita como crime, a rede de lojas passou a ser investigada.

O dano ao erário, de acordo com a força-tarefa que prendeu o empresário, chega a R$ 387 milhões. Em tempos de pandemia, o valor poderia ser destinado, por exemplo, à construção de 73 hospitais de campanha no Estado, similares ao instalado pelo governo mineiro e pela iniciativa privada, desde abril, no Expominas, na capital. 

A empresa informou, por nota, que Ricardo Nunes e os familiares não fazem mais parte do quadro de acionistas desde 2019. Além disso, reconheceu parcialmente as dívidas e esclareceu que "antes da pandemia, estava em discussão avançada com o Estado para pagamento dos tributos passados, em consonância com as leis estaduais". 

A força-tarefa, no entanto, rechaçou a informação e garantiu que Ricardo Nunes continua à frente da empresa

Bloqueio de bens

Além das prisões, a Justiça autorizou o sequestro de bens avaliados em R$ 60 milhões. Agora, a polícia vai buscar mais patrimônios da família, já que o valor levantado não cobre a quantia sonegada.

Leia mais:
Esquema em liquidação: mineiro é preso por sonegação milionária; recursos fazem falta na pandemia
Além da Ricardo Eletro, outras empresas são investigadas por não repassar ICMS ao Estado
Promotor diz ter provas de que Ricardo Nunes sonegava impostos há pelo menos dez anos
Fundador da Ricardo Eletro é preso suspeito de sonegar R$ 387 milhões em Minas