Se, em Belo Horizonte, a corrida pelas eleições municipais deste ano ainda não deslanchou, embora pré-candidaturas já tenham surgido – como a do próprio prefeito Alexandre Kalil –, na vizinha Contagem a situação começa a esquentar. Ontem, por exemplo, o atual chefe do Executivo na cidade, Alex de Freitas (sem partido, desde que deixou o PSDB), anunciou, em discurso durante inauguração de uma escola integral no município, que não irá disputar novo mandato, em outubro. 

Neste sábado, o PSD, partido de Kalil e que recentemente ganhou o reforço do senador Antonio Anastasia (outro ex-tucano), lançará oficialmente o deputado estadual Rafael Martins, presidente municipal da legenda, como pré-candidato ao pleito. 

O comunicado será feito na Câmara Municipal de Contagem, em evento de filiação ao PSD que deve ter a presença, entre outras lideranças, do presidente estadual da legenda, senador Carlos Viana. Além disso, serão conhecidos os pré-candidatos a vereadores.

Outra pré-candidatura já consolidada para disputar o comando da cidade é a da deputada estadual Marília Campos (PT). Ex-prefeita de Contagem por dois mandatos seguidos, de 2005 a 2012, a petista, que assumiu cadeira na Assembleia Legislativa em 2014, relutava em concorrer novamente à prefeitura, mas, em novembro, foi convencida pelos colegas de partido.

Desistência
O prefeito Alex de Freitas comunicou a retirada do próprio nome da disputa na manhã de ontem, quando fez discurso durante evento na cidade. “Sigo trabalhando como prefeito até o último dia do ano, com muito orgulho, com muito empenho, mas não serei candidato à reeleição”, afirmou.

Freitas disse também que não irá se filiar a nenhum partido e justificou a decisão de não participar da própria sucessão: “Eu acho muito complicado o instrumento da reeleição”, ressaltou. O prefeito também queixou-se de “muita pancada” que estaria recebendo, sobretudo de adversários políticos. Para ele, tal situação tornaria mais difícil a tarefa de conciliar uma eventual disputa eleitoral com a vida pessoal.

No discurso, o prefeito criticou, sem citar nomes, integrantes da própria equipe, que não estariam alinhados ao chefe do Executivo. Fez, inclusive, um pedido àqueles “que não quiserem e não puderem seguir fazendo esforços para melhorar a cidade”: “Que abandonem o barco e sigam um rumo”, disse.
Eleito em 2016 com 72,96% dos votos em Contagem, Alex de Freitas, de 42 anos, teve a maior votação (223,9 mil) da história da cidade. Com o passar da gestão, contudo, enfrentou problemas, como uma investigação policial, em 2019, por suspeita de enriquecimento ilícito. Também amargou índices altos de rejeição, segundo pesquisas recentes. 

Ainda no início de 2019, deixou o PSDB, alegando discordar de posturas adotadas pela legenda. “Nenhum grande partido passou incólume ao clamor das ruas. Torna-se urgente a reconstrução do partido e a superação dos conflitos éticos que os brasileiros exigem. Eu, por estar envolvido em um projeto de cidade, não posso participar da refundação do partido. Desejo que o PSDB se reconecte ao povo”, explicou o prefeito, na ocasião.