No calendário das mostras automotivas, o Salão de Genebra, todos os anos, é um dos mais legais. A feira suíça é um território neutro onde as principais marcas europeias, assim como estúdios de design, podem apresentar estudos e modelos exóticos. E na feira deste ano não faltaram automóveis exclusivos, potentes e caros. 

A grande estrela do salão é o Bugatti La Voiture Noire. Trata-se de um supercarro que terá apenas uma unidade produzida e que já foi vendida pela bagatela de 11 milhões de euros (algo em torno de R$ 47 milhões), para celebrar os 110 anos da marca. Numa tradução literal, ele se chama “O Carro Preto”, que pode ser um tanto prosaico diante do charme da grafia francesa. 
Com desenho ainda mais agressivo de seus pares como Divo e o Chiron, o La Voiture Noire foi inspirado no clássico Type 57 SC Atlantic, com direito à mesma linha longitudinal que divide a carroceria em duas partes. Sob o capô traseiro, nada demais. Apenas um W16 de 1.500 cv.

Christian não sossega
Christian von Koenigsegg não para de aprontar. A mais nova invenção do sueco é o Jesko. Seguindo a linha de evolução do Aggera, é opção para o consumidor que busca um automóvel de pista que pode ser utilizado na estrada. Com motor V8 biturbo (com disposição das bancadas em 180°, como num boxer), a unidade entrega 1.600 cv quando abastecido com E85 (etanol com 15% de gasolina). Para deixá-lo grudado no chão, é equipado com enorme asa, que gera downforce de 1 tonelada a 250 km/h. 

Pininfarina radioativo
O fim do casamento entre a Ferrari e a Pininfarina não deixou vítimas ou órfãos. Pelo contrário, o estúdio italiano tem apostado forte em estudos elétricos, mas nada como a Battista. Trata-se de uma berlinetta, que lembra a Ferrari 488, mas equipado com um conjunto elétrico que fornece incríveis 1.900 cv e 230 mkgf de torque. Segundo a Pininfarina, ele acelera de 0 a 100 km/h em menos de dois segundos ou 0 a 300 km/h em 12 segundos. Segundo a empresa, a Battista terá tiragem de 150 unidades.

Novo Uno?
A Fiat levou para Genebra o conceito Centoventi (120 em italiano). Segundo a marca italiana, trata-se de um estudo elétrico para marcar os 120 anos da empresa. Na internet, o estudo é cotado para dar vida à nova geração do Panda e poderia servir de base de estilo para o novo Uno, que deve chegar em 2020. No entanto, executivos da marca negam que ele será um futuro Panda ou Uno. Mas sejamos sinceros, a julgar pela escada da TV a Cabo, no teto, o carrinho tem ou não tem alma de Fiat Uno? Fala sério!