Empregados da Cemig, aposentados e lideranças políticas se mobilizam, na tarde desta segunda-feira (21), para abraçar simbolicamente a empresa, que pode ter que devolver quatro usinas ao governo federal, reduzindo em 36,6% o caixa da Cemig Geração. 

"Se a Cemig perder as usinas, o setor elétrico também perde. O ato é uma demonstração pública que precisa chegar ao judiciário", rechaça o diretor de Geração e Ttransmissão, Franklin Moreira.

O presidente da concessionária e outros diretores da empresa estão em Brasília para pressionar o governo.

A concessionária pede, ainda, que seja instalada uma Câmara de Conciliação. Caso o governo acate o pedido, o Supremo Tribunal Federal (STF) pode adiar a votação de recurso apresentado pela concessionária mineira para impedir o leilão das usinas, previsto para 27 de setembro. A votação está marcada para esta terça-feira (22).

Leia mais:
Desembargador suspende leilão de quatro usinas hidrelétricas da Cemig
Cemig tenta barrar leilão e de hidrelétrica
Funcionários da Cemig planejam abraço simbólico na sede da empresa, nesta segunda