As forças de segurança da Turquia mataram 69 militantes curdos em três dias de operações em duas principais cidades curdas perto da fronteira com o Iraque, disse o Exército. Um soldado turco morreu nos confrontos e ao menos oito membros das forças de segurança ficaram feridos, de acordo com agência estatal de notícias Anadolu.

O governo impôs um toque de recolher de 24 horas nas cidades de Cizre e Silopi, permitindo que as tropas e a polícia - apoiados por tanques e veículos altamente armados - lutassem contra os militantes curdos do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em inglês), que lutam pela autonomia nessas cidades e em cidades vizinhas.

Segundo o governo, os militantes colocaram explosivos, cavou trincheiras e levantaram barricadas em Cizre e Silopi. A tropas prometeram avançar com as operações até que nenhum rebelde armado permaneça nas duas cidades. Não foi confirmado relatos de que milhares de soldados foram mobilizados.

Na quinta-feira, a Turquia anunciou o início de uma campanha decisiva contra militantes do PKK, com milhares de soldados das forças de segurança chegando a cidades tomadas pelos rebeldes.

O órgão europeu de direitos humanos, o Conselho da Europa, expressou preocupação durante os toques de recolher em que os residentes são impossibilitados de sair de suas casas. A Turquia diz que os toques de recolher visam evitar mortes de civis.

Os combates entre as forças do governo e do PKK recomeçaram em julho, matando centenas de pessoas e quebrando um frágil processo de paz com os rebeldes. Fonte: Associated Press