O governo da Coreia do Sul divulgou a morte de um homem de 80 anos pela Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS). De acordo com um comunicado do Ministério da Saúde, esta é a sexta vítima do vírus no país, que reforça medidas para conter a sua propagação.

Desde o último mês, 87 pessoas foram infectadas pelo MERS, o maior surto do vírus fora do Oriente Médio. Cerca de 1.870 escolas foram fechadas e mais de duas mil pessoas foram isoladas em suas casas ou em locais do governo após terem tido contato com pacientes infectados pelo vírus.

O vice-primeiro-ministro da Coreia do Sul, Choi Kyung-hwan, afirmou em entrevista neste domingo que não há motivos para crer que o vírus irá se propagar ainda mais pelo país.

"Até agora, todos os casos de MERS ocorreram em hospitais e não há casos de contaminação em outros meios sociais. Acreditamos que temos uma chance de manter o surto sob total controle", disse.

O vírus MERS não tem vacina e especialistas afirmam que o contágio ocorre através do contato com pessoas infectadas e não pelo ar.

A agência de saúde da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou que ainda não há evidências de "propagação total" na Coreia do Sul.

Choi ainda afirmou que o governo irá reforçar o monitoramento das centenas de pessoas não diagnosticadas que estão em quarentena em suas casas porque o governo acredita que ela possam ter contraído o vírus.

O vírus MERS foi descoberto em 2012 e ocorreu principalmente na Arábia Saudita. Ele pertence ao grupo de gripes comuns e também do vírus SARS e causa febre, problemas respiratórios, pneumonia e insuficiência renal. Fonte: Associated Press.