Dezenas de corpos chegaram à costa do estado de Rakhine, em Mianmar, no último mês, relatou um grupo de direitos humanos e moradores da região. Acredita-se que alguns dos corpos são de muçulmanos Rohingya que tentaram fugir de barcos de traficantes, enquanto outros são de cidadãos de Bangladesh.

Ye Htut, porta-voz do presidente, e outros representantes do governo de Mianmar estavam em reuniões e não comentaram o caso. O Ministro do estado de Rakhine não quis comentar sobre os corpos, mas afirmou que está checando a situação.

Ao menos 47 corpos apareceram em praias e em rios entre os dias 12 e 24 de maio, muitos em situação de decomposição tão severa que não puderam ser reconhecidos, comentou Chris Lewa, integrante do Projeto Arakan - que monitora as atividades na região de Rakhine há uma década. O ativista acredita que as pessoas morreram afogadas ao tentarem nadar para a costa.

Mianmar negou ser responsável pela crise humanitária que atingiu o sudoeste da Ásia no início de maio. Mais de 4.600 pessoas foram resgatadas de barcos em cinco países da região em busca de abrigo.

A Organização das Nações Unidas (ONU) afirma que metade das pessoas resgatadas são muçulmanos de origem Rohingya, que fogem da discriminação e violência em seu país predominantemente budista. Fonte: Associated Press.