Um espião sul-coreano informou aos parlamentares de seu país que o líder do regime norte-coreano, Kim Jong-un, ordenou a execução do ministro de Defesa da Coreia do Norte, Hyon Yong-chol. O ministro teria irritado Kim Jong-un por contestar regras internas e dormir em uma reunião presidida pelo líder.

Segundo o espião, que conversou com os parlamentares sul-coreanos em reunião fechada, centenas de pessoas assistiram à morte do ministro, em um campo de tiro em Pyongyang, no fim de abril. Kim Gwang-lim, presidente do comitê de inteligência do Parlamento, disse que Hyon falhou várias vezes por descumprir instruções do líder norte-coreano.

Analistas da Coreia do Sul se dividem sobre a tese de que supostos sinais de uso da força por parte de Kim Jong Un mostram fraqueza política. Ele assumiu o poder em 2011, depois da morte do seu pai, Kim Jong-il. Outros nem sequer têm certeza se isso realmente aconteceu.

Hyon foi nomeado ministro das Forças Armadas, o equivalente ao ministro da Defesa da Coreia do Sul, em junho do ano passado. Fonte: Associated Press.