O premiê da Itália, Matteo Renzi, disse que as autoridades italianas não "estão em condições de confirmar ou verificar" se o barco transportando migrantes que naufragou ao largo da costa da Líbia tinha de fato 700 pessoas a bordo, conforme um sobrevivente disse a socorristas. Renzi disse a repórteres em Roma na noite deste domingo (horário local) que até o momento há 28 sobreviventes e 24 mortos. Renzi disse que o barco se dirigia a Malta.

O premiê disse ainda que 18 navios, incluindo cargueiros, estão ajudando na missão de busca. Ele descartou qualquer bloqueio naval ao largo da costa da Líbia, dizendo que isso iria "acabar ajudando os contrabandistas", uma vez que navios militares estariam lá para resgatar migrantes. Ele também afirmou que os migrantes não podem ser forçados a voltar para a Líbia por causa da violência no país. Fonte: Associated Press.