A Coreia do Norte disparou sete mísseis de curto alcance para o mar, informaram autoridades sul-coreanas nesta sexta-feira. Trata-se do mais recente lançamento deste tipo de armamento durante os exercícios militares conjuntos entre Coreia do Sul e Estados Unidos.

Os mísseis terra-ar lançados na noite de quinta-feira sobrevoaram águas da costa leste do país, disse um oficial da defesa sul-coreana que pediu anonimato.

Um oficial do Estado-Maior das Forças Armadas sul-coreanas, que também não quis ser identificado, disse que o líder norte-coreano Kim Jong Un inspecionou os testes de mísseis, mas ele se recusou a dizer como obteve a informação. Kim conduz, ocasionalmente, os testes do Exército segundo a mídia estatal de Pyongyang.

A Coreia do Norte faz testes rotineiros com mísseis e artilharia, mas este último aconteceu no momento em que o país reage furiosamente aos exercícios militares anuais entre Coreia do sul e Estados Unidos. Pyongyang diz que os exercícios têm como objetivo a preparação para a derrubada do governo norte-coreano, embora Seul e Washington afirmem que eles são de natureza puramente defensiva.

A Coreia do Norte disparou dois mísseis de curto alcance no primeiro dia dos exercícios militares, no início do mês, e advertiu a respeito de ataques "impiedosos" contra a Coreia do Sul e os Estados Unidos. Os exercícios continuam até o final de abril.

Como legado da Guerra da Coreia, travada entre 1950 e 1953, os Estados Unidos deixaram cerca de 28.500 soldados na Coreia do Sul como impedimento para uma possível agressão norte-coreana.

No início deste ano, a Coreia do Norte disse aos Estados Unidos que estava disposta a impor uma moratória temporária em seus testes nucleares se Washington cancelasse os exercícios militares, mas o governo norte-americano rejeitou a oferta.

Pyongyang realizou testes com bombas atômicas em 2006, 2009 e 2013. Analistas externos dizem que um quarto teste colocará o país um passo mais perto do objetivo de fabricar ogivas pequenas o suficiente para serem colocadas num míssil que pode atingir os Estados Unidos. Fonte: Associated Press.