A votação do fim da verba indenizatória dos vereadores de Belo Horizonte foi adiada mais uma vez na última terça-feira (10), mas o projeto pode ser apreciado nesta quarta-feira (11). Os parlamentares fecharam acordo para derrubar as mudanças no regimento interno, propostas pela Mesa Diretora. O assunto tem causado discussões e obstrução da pauta por parte da oposição e dos declarados independentes desde a semana passada.

Gilson Reis (PCdoB), a bancada do PT e outros cinco vereadores propuseram o resgate de um projeto de regimento interno apresentado há dez anos e o prazo de 90 dias para a criação de uma comissão que irá discutir o documento que rege a Câmara. “Queremos um regimento mais amplo e incluso, que só deverá ser votado no segundo semestre”, afirmou Gilson.

Para limpar a pauta e votar sete projetos de vereadores e um do Executivo, o grupo negociou ainda a apresentação de um substitutivo ao projeto de resolução que extingue a verba indenizatória para que todos os vereadores assinem o documento.

“É mais uma questão de vaidade, o projeto não pode ficar somente na mão do presidente. A transição para o processo de licitação será tratada pela comissão”, explicou Reis. Projetos polêmicos do Executivo, entre eles a venda de lotes no Jardim Canadá e os estacionamentos rotativos subterrâneos, deverão sair da pauta para que a verba seja votada.

Na queda de braço, a oposição conseguiu mais tempo para discussão dos assuntos com a prefeitura. Segundo o vereador Preto (DEM), líder de governo, uma reunião dos vereadores com a secretária de governo do prefeito Márcio Lacerda (PSB), Luzia Ferreira, deverá acontecer nesta quinta-feira (12).