João Cruz Reis Filho - Secretário da Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa)

“Dois mil e quinze foi um ano com dificuldades, mas tivemos a oportunidade de arrumar a casa e organizar a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), bem como a relação com as empresas vinculadas à secretaria – Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-MG), Empresa de Pesquisa Agropecuária (Epamig), Fundação Rural Mineira (Ruralminas) e Instituto Mineiro de Agropecuára (IMA) -, que atuavam de forma isolada e sem conexão de projetos. Ao longo do ano, conseguimos vitórias importantes para o produtor agrícola, como a extensão do financiamento agrícola para as propriedades atingidas pela estiagem. Da mesma forma fizemos um Plano Plurianual de Ação Governamental (PPAG), que contou com a participação de todos os servidores e o setor em geral. Sobre este último ponto, as ações previstas para a partir de 2016 nos deixam muito otimistas. A agricultura estava desassistida no estado, como demonstrava o próprio orçamento para a área. Faltavam projetos. A partir de agora, tudo isso mudou. Os programas que foram desenvolvidos, prevendo ações de sustentabilidade e agregação de valor aos produtos, vão dar o que falar no próximo ano. A Nossa expectativa para 2016 é ótima”.

Glenio Martins - Secretário de Estado de Desenvolvimento Agrário

Glênio Martins

“Fechamos o ano com bastante trabalho e a certeza de que 2016 será ainda melhor. A agricultura familiar de Minas Gerais colecionou várias conquistas em 2015. Com a criação da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário (Seda) pudemos avançar em políticas públicas para garantir o fortalecimento do setor. Em pouco tempo, regulamentamos a lei que garante que 30% das compras de alimentos no governo estadual sejam da agricultura familiar (PAA Familiar), retomamos o programa de regularização fundiária rural parado há quatro anos, ampliamos o acesso dos agricultores familiares ao seguro contra as perdas por causa da seca. Investimos na modernização de agroindústrias familiares, no melhoramento genético do rebanho bovino e estamos atuando para promover e estimular a produção de alimentos saudáveis. Além disso, trabalhamos para fortalecer o cooperativismo, promovemos o acesso a terra em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), por meio do Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF), entre outras ações. Nossas metas para os próximos anos são ambiciosas. Com o trabalho em equipe, a construção de parcerias e o apoio dos movimentos sociais e sindicais, o governo Pimentel não medirá esforços para transformar a agricultura familiar mineira na mais competitiva do país.”

Vilson Luiz da Silva - Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Minas Gerais

Vilson da Silva


“Não foi um ano negativo, nem positivo, mas de muita luta e trabalho pela implementação das políticas públicas, principalmente, porque nós representamos a agricultura familiar. Defendemos a agricultura de subsistência, a agroindústria familiar. Discutimos a organização e o fortalecimento das mulheres no campo e a sucessão rural, que é a inserção da juventude. Dois mil e quinze foi cheio de desafios e nós fizemos a nossa parte, demos o grito da terra, fizemos nossas intervenções junto aos governos estadual e federal. Minas Gerais foi protagonista em levar cerca de 30 ônibus para Brasília. Participamos na Marcha das Margaridas com mais de 80 ônibus, do Festival da Juventude, realizamos a 9ª Agriminas, que foi um sucesso. Para 2016, vamos fazer uma década de feira e queremos fazer o lançamento no parlamento mineiro para ter ainda mais visibilidade com ênfase na conquista de mercado e valorização dos produtos. A nossa preocupação também é sobre um modelo de produção que tenha planejamento e manejo sustentável, respeitando o meio ambiente, olhando o lado social, evidentemente tendo agregação de valor, que é o lado econômico. Continuaremos presentes com mais de 500 sindicatos em Minas Gerais, fazendo o nosso papel de valorizar e fortalecer a agricultura familiar. Queremos valorizar as pessoas e dar a elas o prazer de estarem no seu meio rural produzindo, gerando renda e tendo qualidade de vida.”

Gustavo Alberto França Fonseca - Centrais de Abastecimento de Minas Gerais (CeasaMinas)

Gustavo Fonseca

“Para cumprirmos bem o papel de garantir o abastecimento agroalimentar, é essencial, modernizarmos a gestão, alinhando a isso a contenção de despesas. Essa foi uma das principais marcas de nossa gestão à frente da CeasaMinas em 2015, sendo essencial para garantirmos cada vez mais condições adequadas de comercialização a produtores, lojistas e compradores. Negociamos com fornecedores para reduzir os custos da Administração, seguindo modelo já adotado pelo Ministério da Agricultura, ao qual somos vinculados. Economizamos no consumo de água, com queda de 40% no volume gasto no primeiro semestre. No interior do estado, destaque para a regularização do terreno da CeasaMinas - Governador Valadares, que pode experimentar nova expansão. Para 2016, esperamos iniciar um grande centro de capacitação em segurança alimentar e nutricional, o Prodal Banco de Alimentos, um espaço com cursos sobre processamento de alimentos, técnicas para redução de perdas, agroindústria e gestão, aberto, entre outros, a produtores rurais, comerciantes, entidades filantrópicas e universitários. Há estudos para a implantação de novas Ceasas no interior e até mesmo em Palmas (TO), por meio de parceria com o governo tocantinense. Temos boas perspectivas para novas unidades do programa Barracão do Produtor, por meio do qual agricultores realizam o beneficiamento de frutas e hortaliças e agregam valor às mercadorias”.