Se o leitor procura um automóvel exclusivíssimo, deve concentrar seus esforços em um Bugatti. A marca de Ettore Bugatti não tem um grande portfólio e nem um grande número de carros circulando no planeta. O EB 16-4 Veyron foi apresentado em 2005 e teve sua produção iniciada em 2009. Pouco mais de 400 unidades foram fabricadas. Entre elas, uma grande variedade de edições especiais, como a Ettore Bugatti, última safra da série “Les Légendes de Bugatti”.

Serão apenas três unidades, produzidas a partir do Veyron Grand Sport Vitesse. Para homenagear o criador, o modelo recebeu pintura especial com segmentos em azul (tonalidade tradicional da marca) e outros em alumínio polido.

Por dentro, a edição segue o mesmo padrão da série “Les Légendes de Bugatti”, com o carismático elefante empinado. De resto, não é necessário evidenciar a sofisticação do acabamento, que obriga os funcionários da marca a não sentarem nos bancos com calças com botões e pinos nos bolsos de trás para não marcar o couro.

Sob o capô, o Veyron Ettore Bugatti, mantém o diabólico motor W16 8.0 litros com quatro turbocompressores, que desenvolvem, limitados, 1.200 cv a 6.400 rpm e torque de 150 mkfg entre 3.000 e 5.000 rpm. A máxima é limitada eletronicamente em 375 km/h. Sem a trava eletrônica é possível superar os 400 km/h.

A apresentação oficial do Bugatti Veyron Ettore Bugatti será no Pebble Beach Concours d’Elegance, na Califórnia, no próximo final de semana. Lá, ele irá se juntar às demais cinco versões da “Les Légendes de Bugatti”.