A segunda luta da noite marcou o primeiro combate entre atletas que participaram da versão brasileira do “The Ultimate Fighter” (TUF). Pelo peso pena (até 66 kg), Marcos “Vina”, que começou no time de Wanderlei e mudou para o esquadrão de Belfort, enfrentaria Wagner Galeto, que ficou até o final do reality show na equipe do “Cachorro Louco”.

O duelo de paranaenses começou tenso. A trocação ditava a tônica do combate. Ora Vina buscava chutes baixos, ora Galeto queria socos para desarmar a base do adversário. Até na arquibancada o confronto era igual. Enquando alguns torcedores gritavam o nome de Marcos, a outra parte ovacionava Wagner.

A situação começou a melhorar quando Galeto jogou o adversário para o chão e chegou a castigá-lo por um bom tempo. Vina, sem saída, tentava se defender e, por sorte, conseguiu se desvencilhar de um estrangulamento do rival. Em seguida, apesar de estar por baixo, conseguiu atacar Galeto, levantando o público.

Quando Vina começava a gostar do segundo round, Galeto, com uma frieza ímpar, esperou ataque do rival para lhe acertar uma joelhada voadora. O público vibrou. O problema foi a sequência, quando o dono do corner azul, ao invés de partir para cima do adversário no chão, preferiu “cozinhar” o combate. Intempestivos, os fãs de MMA responderam com vaias. Fim de assalto, sem grandes emoções.

No terceiro e derradeiro assalto, Vina queria vingar o castigo inicial. Observando o cansaço do rival, partiu para cima, com uma sequência de socos. Sem reação, Galeto apenas tentava se defender, mas era tarde. Vitória de Marcos, por nocaute.

Com o triunfo, “Vina” debutou de forma categórica no UFC, chegando à sua 20ª vitória no MMA, a nona nos dez últimos combates e sétima por nocaute. Galeto, por sua vez, somou seu quarto revés no cartel, o terceiro nas últimas cinco lutas.