Em 2004, Zélia Duncan surpreendeu o mercado com um de seus mais belos projetos, “Eu Me Transformo em Outras”. Com a produção de Bia Paes Leme, ela deu roupagens sofisticadíssimas e convidativas para canções de grandes compositores. Era um disco 100% não autoral em que o bandolim (aqui com Hamilton de Holanda) tinha um grande destaque, dando ares de seresta ao trabalho.

Chegou a hora de Zélia e Bia Paes Lema renovarem a frutífera parceria, dessa vez com foco no samba – um sonho antigo da cantora que demorou para ser realizado. Recém-lançado pela Biscoito Fino, “Antes do Mundo Acabar” investe totalmente no gênero brasileiríssimo.

“Bia é firme, sabe tudo de samba e de harmonia e de sonoridade. Sem ela, nada disso seria possível”, diz Zélia, sobre o desejo de trabalhar novamente com a produtora. “Queria que tivesse som mais de raiz, sem muitos instrumentos, que valorizasse a composição e tivesse muito suingue”.

Arranjado pelo experiente violonista Marco Pereira, o álbum conta com 14 faixas, sendo dez autorais e quatro regravações de composições de Riachão, Paulinho da Viola, Moacyr Luz e Dona Ivone Lara/ Delcio Carvalho. “Gosto de ouvir muitas coisas. Então, na hora do disco, foi só pesar um pouco e escolher. Para mim, é importante que não sejam músicas muito batidas, que possam surpreender um pouco”, conta Zélia, sobre sua eterna pesquisa por composições menos conhecidas.

Dentre as música autorais, há parcerias com Pedro Luís, Ana Costa, Arlindo Cruz e Zeca Baleiro (a faixa-título). Mas o principal parceiro aqui é Xande de Pilares, que assina três composições com a artista – entre elas a marcante “Destino Tem Razão”, que abre o disco. “(Xande é) delicioso, divertido, a confiança se estabeleceu rapidamente. Ele é um cara muito talentoso e querido, foi um grande ganho, neste trabalho, a proximidade dele”.

O show referente ao novo trabalho só será montado no ano que vem. Zélia ainda não sabe quais serão as diretrizes para a nova apresentação, mas já tem uma certeza em mente: será totalmente de sambas.